Letalidade da Covid-19 no Ceará cresce entre público de 25 a 39 anos durante maio



A taxa de letalidade da Covid-19 cresceu entre o público da faixa etária de 25 a 39 anos no Ceará, de acordo com o IntegraSUS, plataforma da Secretaria da Saúde (Sesa) do estado. O acréscimo se dá quando comparado ao mês de abril. O gráfico estadual foi atualizado nesta terça-feira (1º).

O índice se refere à quantidade de pessoas que morreram por uma doença em relação à quantidade de infectados por ela. É diferente do conceito de taxa de mortalidade, que trata da quantidade de pessoas que morreram por uma doença em relação à população total de um lugar.

  • Entre os jovens de 25 a 29 anos, a taxa letalidade subiu de 0,27% para 0,28%
  • Entre os adultos de 30 a 34 anos, a taxa letalidade cresceu de 0,39% a 0,45%
  • Entre os adultos de 35 a 39 anos, a taxa de letalidade cresceu de 0,58% a 0,75%

Estas faixas etárias (25 a 29, 30 a 34, e 35 a 39) são, inclusive, responsáveis por 962 óbitos no estado desde o começo da pandemia. Os idosos acima de 80 anos lideram estatística com 5.962 óbitos, ao passo que, as crianças de 10 a 14 anos são o grupo com menos registros, com dez mortes causadas pelo coronavírus.

Entre as faixas etárias que estão sendo vacinadas contra a Covid-19 — pelo critério da idade — a letalidade caiu entre os idosos acima de 70 anos, que estão entre os primeiros imunizados com as vacinas contra a doença. Contudo, o número cresceu entre o público de 60 a 69 anos.

Ao todo, o Ceará já registrou 20.587 óbitos por coronavírus desde o início da pandemia. A letalidade do estado está em 2,6% — e há ainda 738 mortes suspeitas. Dois óbitos aconteceram nas últimas 24 horas.

Os municípios com as maiores taxas de mortalidade são:
  • São Gonçalo do Amarante: 375,9
  • Orós: 326,7
  • Antonina do Norte: 326,4
  • Fortaleza: 318,9
  • Sobral: 316,8
As fatalidades fazem parte de 805.134 confirmação da Covid-19, com ainda 99.990 casos suspeitos. Em contrapartida, 558.327 pessoas já se recuperaram da doença.

Já em relação às taxas de incidência (casos a cada 100 mil habitantes), as maiores são:

  • Frecheirinha: 20.523
  • Moraújo: 20.472,3
  • Acarape: 17.643,5
  • Eusébio: 16.569,1
  • Brejo Santo: 15.564,8
As Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) do Ceará estão com 77,32% de ocupação, com 178 pacientes aguardando transferência; e 49,13% de ocupação entre as enfermarias, que têm 106 pessoas na fila de espera por um leito.

Foto: Tiago Gadelha
G1CE

Postar um comentário

0 Comentários