728x90

centered image

Gigante: maior pirarucu do mundo é pescado no Amazonas


O maior pirarucu do mundo, capturado até aqui, está guardado em Manaus. O gigante dos gigantes dos peixes de escamas de água doce foi capturado no dia 12 de novembro do ano passado.

Ele mede 2,9 metros e pesa 220 quilos congelado e sem as vísceras. Tudo nesse peixão é grandioso.

A cabeça, por exemplo, mede 69 centímetros. A nadadeira peitoral tem 40 centímetros de comprimento por 30 centímetros de largura.

A nadadeira caudal impressiona ainda mais. Ela possui 75 centímetros de comprimento. A distância entre os olhos é de 20 centímetros e ele possui escamas de até 12 centímetros. A idade dele é estimada em 30 anos.

A captura desse gigante ocorreu na despesca do manejo do pirarucu no município de Japurá, a 747 quilômetros da capital do Amazonas, fronteira com a Colômbia.

Foi na comunidade ilha da Mameloca, onde vivem 20 famílias de pescadores, que nos últimos anos passaram a fazer o manejo e a despesca da espécie. É esse controle, realizado há três anos, que está preservando o pirarucu e, dessa maneira, fazendo com que exemplares cada vez maiores sejam encontrados a cada ano.

É o que diz o engenheiro de pesca Renilton Solarth, de 45 anos. Ele é servidor da Secretaria de Produção Rural do Amazonas (Sepror), e há 20 anos trabalha com manejos de pesca em comunidades ribeirinhas.

Filho de Japurá, há três anos atua na ilha da Mameloca. Conforme disse ao BNC Amazonas, a atividade pesqueira controlada pode crescer mais. Desde que receba mais apoio.

De acordo com Solarth, isso pode ser replicado tecnicamente em outras regiões com potencial pesqueiro semelhante.

Ele também acha que a despesca do manejo pode se transformar em potencial turístico. “As comunidades podem viver tanto da pesca quanto do turismo”.

Uma história verídica de pescador

Foi Solarth que resolveu conservar o gigante pirarucu. Para isso, encontrou um parceiro: Edilberto Valente Maia, de 40 anos. Este é o dono do frigorífico Rainha do Pescado, no bairro Alvorada, zona oeste de Manaus.

E para que manter esse peixe congelado ali? Perguntamos a Solarth. Sua resposta:

“Para mostrar que o manejo é uma realidade que dá certo e que pirarucu de 250 quilos não é história de pescador”.

Hoje, ele está em busca de uma instituição para empalhar o pirarucu e fazer exposição para visitação pública.

Via BNC Amazonas


Postar um comentário

0 Comentários