centered image

Cid Gomes acusa Governo Federal de travar projetos para o Ceará

Cid é senador cearense e aliado político do governador
Camilo Santana (PDT). Foto: Thais Mesquita

O senador Cid Gomes (PDT) acusou o Governo Federal de ter discriminação com estados brasileiros são governados por partido de oposição. No caso do Ceará, ele citou dois projetos com pedidos de financiamento internacional que estão parados na Casa Civil e não são remetidos ao Senado Federal, conforme determina a legislação.

O parlamentar defendeu que o Ceará é uma das únicas federações que têm situação fiscal e pontuação que permitem buscar financiamentos internacionais, além de possuir relação com instituições como o Banco Interamericano e o Banco Mundial.

"Estou na vida pública há mais de 25 anos e já tive oportunidade de ser situação e oposição ao Governo Federal e a governos estaduais e nunca vi tal discriminação acontecer em governos anteriores", enfatizou.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que tomará providências para que o Governo envie as mensagem para apreciação dos parlamentares, em resposta à demanda de Cid, realizada em sessão do Senado nessa terça-feira, 30. “Nós temos obrigação de defender nossos estados. Conte comigo nessa empreitada”, afirmou Pacheco.

Ele lembrou que a Casa tem sido colaborativa com pautas do Governo Federal e espera reciprocidade com os estados “independente de quem sejam os governadores e a qual partido pertençam”.

O governador Camilo Santana (PT) faz oposição à gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL) e tem criticado especialmente o comando do chefe do Executivo Federal durante a pandemia do novo coronavírus.

Durante passagem pelo Estado, em fevereiro deste ano, o presidente criticou as medidas de distanciamento social adotadas por governadores durante a crise na saúde, ligando-as ao crescimento do desemprego.

"Essa medida, por alguns governadores, dentre eles deste estado, foram além de impensadas, foram muito mal recebidas pela população, mandar ficar em casa sem prover ganhou para sua subsistência isso é mais do que uma maldade é um ato criminoso", disse.

Nas redes sociais, na época, Camilo rebateu: “Aqueles que debocham da ciência, ignoram a luta dos profissionais de saúde para salvar vidas, e, principalmente, desrespeitam a dor das milhares de famílias vítimas da Covid, receberão o justo julgamento. Continuaremos firmes, combatendo o negacionismo, e lutando sempre pela vida.”

O Povo

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem