Estudante de medicina está foragido suspeito de estuprar menores de idade no Piauí


Um estudante de medicina de 22 anos está foragido depois de um mandado de prisão ter sido expedido contra ele pela Polícia Civil do Piauí. Ele é suspeito de estuprar quatro menores de idade em Teresina. A Polícia Federal ajuda no caso.

De acordo com pessoas próximas ao caso, as vítimas são duas irmãs do estudante (ambas com menos de dez anos de idade), a sobrinha da madrasta e outra garota ligada à família. A polícia não confirma as informações, porque a investigação está sob sigilo.

As vítimas prestaram depoimento na DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente), na capital do Piauí, de acordo com familiares ouvidos pela reportagem.

Segundo Rodrigo Araújo, advogado que defende a família, as crianças relataram abusos frequentes dentro de casa e em viagens de família. Disse ainda que elas contaram ser abusadas pelo estudante durante brincadeiras, tomando banho com ele, trancadas em quarto e jogando videogame.

A mãe de um das garotas disse que, segundo a filha lhe contou em julho, o primeiro abuso ocorreu quando ela tinha cinco anos, durante uma viagem da família. A Folha não identifica seus nomes para preservar as vítimas.

A denúncia foi feita à polícia em agosto desde ano. As violências sexuais ocorriam, diz a mãe, quando o suspeito tinha oportunidade de ficar sozinho com as meninas.

Ela diz que, por causa dos abusos, sua filha teve depressão, se automutilou e tentou suicídio. Para ela, o estudante de medicina agora foragido é um psicopata.

Ela diz ter apresentado à polícia cópias de mensagens de WhatsApp, de uma conversa que teria ocorrido entre o suspeito e a madrasta dele (a mãe da adolescente é irmã da madrasta do estudante).

Nessas mensagens, segundo a autora da denúncia, o estudante confessa os abusos e pede perdão à madrastra. Uma das mensagens seria: "Essa foi uma parte escura da minha vida que me envergonho muito e que eu nunca queria voltar...Eu faço o que for preciso para tentar reverter todo impacto negativo que eu causei...".

Uma das irmãs do estudante, ainda segundo a mãe da adolescente, está com lesão genital e fará exames para saber se tem alguma doença sexualmente transmissível.

O advogado do estudante, Eduardo Faustino, afirmou que a apresentação do cliente à polícia só deve acontecer após a defesa ter acesso ao mandado. "Eu não fui informado da decisão de prisão. Não tenho como apresentar alguém sem que haja certeza sobre isso".

Faustino nega que o estudante esteja foragido e diz que se encontra em Teresina. "É uma deliberação da defesa, optar por aguardar a produção de provas, para falar depois. Ele está habilitado nos autos do inquérito e é representado por mim. Foragido é aquele que é indiferente às investigações. Estamos acompanhando as investigações."

Segundo o delegado geral da Polícia Civil do Piauí, Lucy Keiko Leal, a Justiça do estado decretou a prisão preventiva do estudante no dia 7 deste mês. A Polícia Civil disponibilizou o telefone (86) 3216-5225, 181 e o site www.pc.pi.gov.br para denúncias.

"Não sabemos o paradeiro do estudante. É um caso grave em que a Polícia Civil, Ministério Público e Judiciário entenderam ser necessário a prisão e assim foi feito. Desta forma, estamos agora em diligência para prendê-lo", disse Keiko.

Em nota, a PF disse ter sido acionada "em virtude da possibilidade de tentativa de fuga do suspeito para o exterior".

Fonte: O Tempo

Postar um comentário

0 Comentários