Recém-casados são expulsos por facção 15 dias após receberem apartamento em Fortaleza

Foto: WhatsApp O Povo

Um casal foi expulso por traficantes integrantes de uma facção criminosa 15 dias após receber o apartamento no Residencial Cidade Jardim I, bairro José Walter, em Fortaleza.

 O caso ocorreu nesse sábado, 4. Recém-casados, eles foram ordenados pela facção a irem embora apenas com a roupa do corpo. Apenas neste domingo, 5, a Polícia foi acionada para buscar os móveis e eletrodomésticos. Porém, dois televisores de 42 e 32 polegadas já tinham sido roubados, além de um videogame Playstation. O POVO apurou que o casal havia sido contemplado com o apartamento há 15 dias. Conforme uma testemunha, o traficante deu a opção ao novo morador, de que se ele quisesse morar no local não poderia mais visitar a casa dos familiares, que moram em outro bairro.

Os criminosos, inicialmente, tinham "deixado" a família retirar os pertences e estipularam que somente um familiar, que fosse evangélico, poderia entrar no condomínio no dia seguinte. Pela manhã, um parente chegou a ir até o apartamento, mas, no momento que ela iria começar a mudança, foi ordenado que ela só poderia retirar as roupas. Eles chegaram a pegar o celular da mulher e olharam as conversas. À tarde, policiais foram solicitados para fazer a escolta da mudança. A Polícia foi acionada para uma ocorrência para dar apoio em uma mudança. "Um casal com um futuro promissor, recém-casados, trabalhadores", afirma um policial.

Conforme uma testemunha, o rapaz foi ameaçado de morte. Antes de receber o apartamento, o casal morava de aluguel. "Eles casaram em janeiro e estavam morando de aluguel. Quando receberam o apartamento ficaram muito felizes, era o sonho da casa própria e já tinha tudo comprado. Virou um pesadelo e já disseram que iam matar ele. Um rapaz com 23 anos e uma jovem com 21 com vários sonhos para realizar", lamenta. A mudança foi colocada toda no caminhão. Uma foto do casal do casamento chamava atenção, entre a máquina de lavar, o sofá e a geladeira. A família, que estava se estabelecendo ali, ficou aos prantos. Uma imagem que gerou estarrecimento entre os policiais que acompanhavam a situação no local. Sobre o caso deste domingo, 5, O POVO Online enviou demanda à Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), por email, às 15h23min, mas não houve resposta.

Expulsões

A Cidade Jardim já registra uma série de casos de expulsão de moradores. Residencial José Euclides Ferreira Gomes é um dos condomínios que sofre com essa situação. O projeto do Minha Casa, Minha Vida foi tomado pela facção criminosa, que tem expulsado moradores. O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) e o Ministério Público Federal (MPF) entraram com uma Ação Civil contra a Caixa Econômica Federal e o Governo do Estado.

Os órgãos também pedem que seja realizada a ordem de despejo e reintegração de posse das famílias que foram expulsas. 46 Boletins de Ocorrência (B.Os) realizados em delegacias como o 30º (São Cristóvão), 8º (José Walter), entre outras delegacias, foram registrados denunciando ameaças de expulsão. Há também até inquérito policial apurando o homicídio do filho de uma das beneficiárias. No documento do Ministério Público, cujo O POVO Online teve acesso, há relatos de que os traficantes escondem drogas no sistema de esgoto e nas caixas de correios e energia dos moradores.

O POVO Online acompanhou uma série de mudanças na comunidade da Babilônia, na Rua Unidos Venceremos, onde traficantes picharam ameaças de expulsão. No dia seguinte, as pessoas começaram a abandonar suas casas, muitas sem ter para onde ir. Por meio de nota, afirmou que vem expandindo o projeto de policiamento estratégico nas periferias da Capital e que esses pontos incluem as áreas onde estão localizados os conjuntos que são alvos de grupos criminosos. Ainda relata que a iniciativa integra o Pacto por um Ceará Pacífico.

Conforme a SSPDS, as ocupações policiais estão situadas nas comunidades do Jardim Castelão II (Babilônia), Novo Perimetral (Gereba), do Jagatá, da Alameda das Palmeiras, da Maria Tomásia, do Residencial José Euclides Ferreira Gomes, no Lagamar, no Sossego (Quintino Cunha), no entorno da Lagoa do Urubu (Álvaro Weyne, Floresta e Padre Andrade), no Alto da Balança, no Vila Velha e na Praia de Iracema, com o Policiamento Ostensivo Geral (POG) da Polícia Militar do Ceará (PMCE). Uma base de policiamento foi instalada no residencial Cidade Jardim, bairro José Walter. Sobre a investigação, os levantamentos de pessoas suspeitas de ameaçarem e expulsarem família resultaram em 21 pessoas capturadas.

Por Jéssica Sisnando/O Povo