Top Ads

header ads

Estudante crateuense faz vaquinha para ir cursar Direito na Federal do Rio de Janeiro



Um estudante de Crateús está recorrendo à ajuda de amigos, parentes e até desconhecidos para arrecadar dinheiro e estudar Direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). João Pedro Lopes, de 20 anos, já foi um dos alunos da Universidade Federal do Ceará (UFC), onde estudou História e Teatro.

“Estou indo estudar Direito na UFRJ. Na verdade, meu sonho sempre foi cursar História na UFRJ, porém as condições me levaram à cursar na UFC. Vi que História não era um curso que conseguia manter alguma identidade, e me frustrei após cursar alguns semestres iniciais.

Pedro explica quem o conhece sabe o quanto é difícil manter os estudos em um local longe de casa. Ele sempre dependeu de benefícios que a UFC oportunizava.

“Para quem não sabe os boatos são certeza. Estou me mudando sim para o Rio de Janeiro para cursar Direito na UFRJ, uma conquista muito grande para mim e estou feliz”, contou Pedro.

A alternativa encontrada para arrecadar a quantia necessária para os primeiros meses de estudos, será feito pela internet através do site https://www.vakinha.com.br/vaquinha/crats-na-ufrj, ajuda deve ser realizada por meio de pagamento em boleto ou cartão.

“A UFRJ sempre foi um sonho desde meu Ensino Médio, mas nunca me arrisquei. Já tem dois anos que moro em Fortaleza e sei das dificuldades de se mudar para uma região desconhecida. Me baseio na experiência de ter vindo de Crateús para cá, logo pensei muito bem com cautela nessa decisão”, disse.

O objetivo é arrecadar R$ 2.000 até 21 de setembro. O valor deve custear gastos iniciais como aluguel, água, energia, alimentação, transporte e etc. O semestre na UFRJ está previsto para iniciar no dia 31 de julho. Até agora, o estudante conseguiu arrecadar R$ 700,00.

“Eu não sei alguma forma de agradecer as pessoas que venham a estar me ajudando. Gratidão, de coração define. Infelizmente, não queria estar fazendo isso, mas as desigualdades sociais em nosso país ainda são gritantes. Estudei sempre em escola pública e minha família vive no bairro Cidade 2000, nunca nossa vida foi fácil, não será agora que terei moleza”, finaliza.

Por: Olavo Matheus